ELIEZER ROSENFELD

Compositor, uma melodia do coração

Eliezer Rosenfeld, da comunidade de Kochav HaShacar (Samaria), é um músico profissional que produziu vários discos. Eliezer, um pai enlutado duas vezes, que perdeu um filho em uma enchente e outro para terroristas, diz que sua música o ajuda a lidar com sua dor e permite que ele tenha esperança no futuro.
Os sons do silêncio, a história de Eliezer Rosenfeld
by Aryeh Tavor | 2017-01-11 9:28
Em uma manhã quente de quinta-feira, a equipe da Lev Haolam atravessou as montanhas de Samaria até uma pequena comunidade chamada Kohav Hashahar. Foi lá que planejamos nos encontrar e entrevistar Eliezer Rosenfeld, músico e produtor do Projeto Pacote Surpresa Mensal da Lev Haolam. Sem que soubéssemos, Eliezer tinha muito mais reservado para nós do que uma simples entrevista. Depois que começamos, ele nos desenhou sua história, pintando suas memórias com palavras.

Quando ele começou a nos contar sobre sua vida, não estávamos sentados em seu sofá em Kohav Hashahar, mas fomos levados através do espaço e do tempo para sua casa de infância em Jerusalém. Observamos duas crianças brincando em trincheiras de guerra. Foi antes da Guerra dos Seis Dias, em uma rua na fronteira com o que era então a Jordânia. A criança mais nova, Eliezer, e a mais velha, Yitzhak, estavam muito ocupadas brincando. Seus túneis se transformam em passagens secretas para um reino mágico e o arame farpado que cerca a fronteira se transformou nas ondas do mar. O jogo para abruptamente quando a mãe os chama para o jantar. É uma noite quente de verão e todo mundo está sentado ao redor de uma pequena mesa. Está cheio, mas ninguém parece se importar e em vez disso todos eles desfrutam de uma refeição saborosa.

Avance rapidamente alguns meses e agora estamos em uma sinagoga. É Yom Kippur, o dia bíblico do julgamento. Todos os homens estão usando seus xales de oração, orando e jejuando. O chazan, cantor, está no meio de uma canção maravilhosa, uma música antiga que ele aprendeu no velho país, antes do Holocausto. De repente, ele para por um momento e olha em volta em busca do seu filho, Eliezer. Ele gentilmente gesticula para que Eliezer avance para a plataforma diante dos rolos da Torá, e então aponta para uma passagem em um livro de orações e continua cantando. Eliezer se junta a ele na música, primeiro em silêncio até que as palavras saiam. Juntamente com o pai, eles cantam as canções inesquecíveis dos judeus eslovacos. "Foi muito importante para meu pai que eu aprendesse a cantar. A partir dos 4 anos de idade ele me ensinou o folclore quase perdido de sua comunidade na Europa e quando eu tinha apenas 5 anos, já estava ao seu lado no sinagoga enquanto ele cantava as preces da Grande Festa."

A música sempre foi uma parte importante da família de Eliezer. Quando era jovem adulto no ensino médio, Eliezer e seu irmão, Yitzhak, gostavam do tish semanal que acontecia toda quinta-feira à noite em sua escola. Um tish, literalmente traduzido como uma tabela, refere-se a um evento social judaico no qual os participantes se sentam em torno de uma mesa, cantam canções judaicas e compartilham histórias diferentes do folclore judaico. "Nós nos sentávamos ao redor da mesa e cantávamos até a meia-noite", relembra Eliezer. "Cantar era tudo para mim, mas ao mesmo tempo eu tinha outro sonho; queria aprender a tocar flauta doce. Ouvi uma vez uma e me apaixonei pelo instrumento, mas não podia pedir aos meus pais para comprarem ele para mim, porque eu sabia que eles não podiam pagar. Meu irmão Yitzhak tinha um sonho diferente. Ele queria se tornar comandante do exército, então ele se inscreveu para um programa da Hesder, que combina estudos da Yeshivá com o serviço militar. Eu o segui em sua Yeshivá em Maalot e, novamente, estávamos cantando juntos. Mas, infelizmente, nosso dueto durou pouco e terminou com um telefonema de cortar o coração."
"Eram 11 horas da manhã de uma quarta-feira. Meus estudos foram interrompidos de repente e fui chamado ao telefone público por outro aluno. Do outro lado, ouvi a voz trêmula do meu pai, dizendo-me que Yitzhak fora morto durante seu serviço militar. Esta foi a primeira vez que encontrei o Anjo da Morte. O canto, a dança e a alegria desapareceram imediatamente e senti como se estivesse caindo sem parar. Enquanto eu estava profundamente em luto, uma pequena voz dentro de mim me chamou para realizar um sonho antigo. Eu reuni minhas forças e fui a uma loja de instrumentos musicais para comprar uma flauta doce. No início, o instrumento não foi tão promissor. Levei muito tempo para tirar o som dela. Entendi que tinha um longo caminho pela frente."

Lentamente, Eliezer aprendeu sozinho a tocar e juntar as notas. Ele voltou a morar perto de seus pais e começou a aprender no Yeshivá (seminário avançado para o estudo da Torá) do Muro das Lamentações. "Foi lá que aconteceu pela primeira vez. De repente, as pessoas começaram a me pedir para tocar em seus eventos e casamentos. A vida começou a me puxar de volta, devolvendo a felicidade, enquanto ao mesmo tempo percebia que a dor havia se estabelecido em meu coração e se tornava uma parte de mim."

"Eu senti como a música estava me curando, como se fosse a mão de D'us que me guiasse e me trouxesse de volta à vida. Desde então, graças a D'us, eu toquei em milhares de casamentos e outros eventos alegres. É um grande privilégio fazer parte dos momentos mais felizes nas vidas das pessoas", acrescentou Elizer.

Eliezer se juntou ao exército, seguindo os passos de seu irmão, mas seu pai lhe pediu para não preparar uma unidade de combate e respeitou o desejo dele. Durante seu serviço, ele conheceu aquela que seria sua futura esposa, e casou dois anos após a morte de seu irmão, Eliezer e sua esposa deram à luz um filho Yitzhaki. Yitzhaki foi assim chamado em homenagem ao irmão morto de Eliezer.

Após o nascimento de seu filho, Eliezer e sua esposa começaram a procurar um novo lugar para morar. Ambos eram idealistas e sonhavam em começar uma nova comunidade judaica. Foi assim que chegaram a Kohav Hashahar (traduzido literalmente como "A estrela da manhã"), uma pequena aldeia pitoresca entre as cidades bíblicas de Samaria e Jericó. Eliezer começou a trabalhar na terra, plantando vinhas e cultivando-as. "Era um trabalho físico difícil; trabalhava 18 horas por dia", lembra Eliezer.

Mas, como antes, a música o chamou de volta. Depois de ter tempo para aprofundar seus estudos musicais, seu conjunto musical começou a ganhar muita popularidade. "Meu instrumento favorito é a flauta doce e com frequência outros músicos brincam com disso, mas não me importo. Acho que é um instrumento muito espiritual."

É impossível dizer, pelo grande entusiasmo de Eliezer com a música e a vida, que ele passou por grandes tragédias e luto, mais de uma vez. Seu amado filho Yitzhaki, que recebeu o nome do tio morto, era um jovem com um futuro brilhante. Ele se juntou ao exército e passou pelo prestigioso curso da Força Aérea, tornando-se piloto. Durante as férias do exército, Yitzhaki e alguns amigos faziam uma viagem no sul de Israel, mas o tempo mudou muito rápido e, antes de terem tempo suficiente para escaparem, foram apanhados por uma inundação. Seu jipe rolou e começou a flutuar com a correnteza. Yitzhaki e seu amigo conseguiram escapar do carro e tentaram alcançar a terra seca. Seu amigo conseguiu, mas infelizmente Yitzhaki não.
"Foi uma perda tão grande que nem consigo expressar em palavras, e a tristeza trouxe uma longa série de perguntas não respondidas. Após sua morte, descobrimos que tanto meu irmão Yitzhak quanto meu filho viveram o mesmo número de dias, 8055… Todo dia eu rezo para que Deus me dê forças para continuar."

Na época do falecimento de Yitzhaki, o segundo filho de Elizer, Malachi, tinha 12 anos de idade. Malachi era bom em matemática desde pequeno e depois de ter servido no exército israelense, Malachi se formou em uma universidade de tecnologia. Todo sábado à noite, Malachi e seu pai Eliezer adoravam jogar basquete, um de seus esportes favoritos. Todos os anos havia um torneio de basquete local no qual Malachi participava.

Há pouco mais de um ano, depois que um dos jogos terminou, Malachi e seus companheiros de equipe estavam dirigindo de volta para casa quando um grupo de terroristas árabes bloqueou e emboscou o carro. Os terroristas dispararam 19 vezes no carro. Malachi ficou gravemente ferido e faleceu poucas horas depois.

"Durante o funeral de Malachi, quando fiquei sem palavras, comecei a cantar. Cantei uma canção sobre a grande tragédia do Holocausto, quando a presença de D'us foi menos aparente para os muitos que sofreram.
Eu não acho que tenho o direito de parar de tocar música e cantar mesmo que a dor seja muito grande. Nós não temos nenhuma raiva em nós, apenas perguntas. Por que isso aconteceu conosco duas vezes? Sabemos que dias melhores virão. Nossa grande consolação é que demos tudo o que pudemos aos nossos amados filhos, e recebemos de volta tudo o que eles puderam nos dar", Eliezer nos diz fielmente.

Neste ponto da entrevista, Eliezer traz um álbum cheio de cartas para ele, todas de estranhos. Algumas pessoas apenas tentam consolá-lo por sua grande perda, enquanto outras o elogiam em sua música e contam como isso faz maravilhas para elas. Há cartas de uma enfermeira em um hospital, uma mãe de uma criança autista e um homem ultra ortodoxo. Todos eles elogiam suas melodias suaves e emotivas e comentam sobre como sua música faz com que se sintam. "Toda sexta-feira recebo um telefonema de um judeu no Queens. Ele estava em Israel no momento do ataque terrorista que levou a vida de Malachi. Este homem também correu para o hospital. Lá, ele me abraçou e orou por Malachi. Desde então, ele me liga para me desejar um 'bom Shabat'".

O novo CD que foi apresentado no Pacote Surpresa Mensal da Lev Haolam foi o 11º álbum de Eliezer e foi dedicado ao seu filho Malachi. Ele nos agradece pelo apoio. "Hoje em dia não vale a pena financeiramente fazer discos de música, mas eu ainda faço. Obrigado por me ajudar a cobrir minhas despesas."

Assista ao desempenho improvisado que Eliezer teve a gentileza de nos dar durante nossa visita no vídeo acima.

Quando perguntamos a Eliezer porque ele ainda vive em Kohav Hashahar, ele responde modestamente: "Nós somos pessoas normais e simples. Acreditamos que é nosso direito viver aqui após os pogroms e problemas que passamos [na Europa]. Infelizmente, nossos vizinhos árabes não querem que a gente exista."

No final de nossa entrevista, Eliezer nos pediu para passar uma mensagem aos partidários da Lev HaOlam. Ele gostaria de convidá-los a visitarem Israel, como convidados em sua casa. "Eu quero abraçá-los e agradecê-los por seu encorajamento."